quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Choro..............

Insónia...




Uma folha em branco
Caneta repousante na mão
Vai longa a noite
Que bela está a lua
Admiro-a através das vidraças
Quedo-me em silêncio de respiração suspensa
Escuto meu coração
Fala-me de revolta, angústia, tristeza
Raiva muda…algemada amordaçada
Estranha sensação
Vai longa a noite…
Calei minha vós
Onde estão as palavras que perdi...
Imutável, neste impasse
Reflicto...careço de força, careço de mim
Tentei ...juro que tentei…não consegui
Sem forças, sem esperança… Desisti
Vai longa a noite…
Sossego meus olhos lacrimejantes
Enxergo-me...Contornando as agruras da vida
Mal sinto meu respirar de exaustão e desalento
E a noite vai longa…
Brilham os primeiros raios da manhã
Contemplo a luz que entra pela mesma vidraça
Que há pouco me deixava acariciar a lua com meu olhar
Raios cálidos vivos animados
Acercam-se para me mimar
Devolvem-me a alento que a escuridão afugentou
Um grito de força entra de novo em mim
Vociferando Vitória teu sofrer chegou ao fim
E na ilusão do meu troféu
Sonho com esperança segurança afectividade
Seco as lágrimas, insisto no amor
E decidida
Avanço meu subtil, mas determinado caminhar
Renegando ver que é chegada a hora de acordar

© Ana Sousa Simões