domingo, 6 de janeiro de 2013


Rumas sem cor sem direcção ou horizonte
Ao sabor do vento
Não passas de uma sombra na parede
Roçando uma vida inexistente
És pintura de luz 
Levando uma vida  indiferente

Sem comentários: