sexta-feira, 7 de junho de 2013

Metamorfoses


Como é dúbia a vida...
Acordei exausta sem ânimo
Num silêncio oco... já sem ais
Num silêncio cansado
E contra o cansaço lutei...
A tarde caía e silêncio trazia
 Silêncio lascado do tempo passado
 E neste silêncio meu coração sangrou
E na curva da dor minh'alma o silêncio vergastou
E no silêncio inútil chorei...chorei...
Senti raiva amordaçada amargura desilusão
Dor, desencanto...decepção
E escrevendo falei e minhas mágoas desafoguei
E a noite tombava num silêncio negro que tudo esmaga
Numa vida suspensa à espera de nada
E nesse silêncio rei dos silêncios
Permanecia em mim  felicidade envergonhada
Depois...
Um silêncio partilhado me alcançou
Tal  brisa de afecto meu rosto beijou
E uma sonora gargalhada o silêncio quebrou
Momentos ausentes de silêncio vivi...e sorri
E neste turbilhão galopante que galga o tempo sem piedade
Alcancei por momentos a doce felicidade

Ana Simões