quinta-feira, 7 de março de 2013


Sopra o vento de mansinho
 Empurra com  doçura e suavidade
O solitário barquinho
E as águas calmas que o rodeiam
Embalam uma doce lembrança
De um dia  ser criança
Na candura de um olhar
De olhos lacrimejante, sofridos
 Repleto de força e de esperança
Resgata afectos emergidos.


Sem comentários: