quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Adeus Ano Velho

Não venhas ainda
Não venhas já...
Não venhas por terra nem venhas por mar
Não venhas antes, que esta dor eu consiga apagar
Agora, só o agora importa... 
O amanhã é incerto e o passado fechou-me a porta
Não venhas ainda, não venhas já...
Deixa que adie meus sonhos inacabados
Num livro desempoeirado, pagina a pagina os quero guardados 
Deixa que surja em mim, aquela  menina mulher pela vida enamorada
Que sem lágrima ou revolta, do ano velho se despeça e aceite a transição
Sinto-te a chegar e eu perdida na bruma, cega de dor e saudade
E de te receber não sinto vontade...
E neste entremeio revivo...
Quantos sorrisos, quantos amigos, quanta ternura, quanta emoção...
No rosto rola uma lágrima, rola indiferente... perdida...
E heis que de longe, como sopro do vento, chegou suave uma doce melodia
Num discurso  de palavras simples, de felicidade se encheu meu coração
Acalmando o meu penar, enche-se meu âmago de gratidão
E num frenesim, preparo o festim
 Abraço lembranças  de felicidades tantas 
 E em volteios de alegres danças,  foi-se a distancia
Alheia à dor e à incerteza
 Sinto a doce  fragrância de um Ano Novo em mim
Permito-me por hoje não mais penar
Ordeno sem vacilar!
Vão minhas penas para longe de mim
Que sem mais delongas o Novo Ano, quero abraçar !

Feliz 2015

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Um Presente Matinal



Quero viver aqui... neste mundo imaginário  que é só teu
 mas onde decerto também eu caibo...
Onde só o calor se faz sentir, onde a maldade humana ficou de fora...
 onde no horizonte avisto a esperança.. 
Esperança de uma vida sem dor nem maldade
Vamos viver prá'qui? Maninho querido? 
Obrigada!! ADOREI ! 
Adoro quando  te vejo criar... deixas-me tão feliz.. 
Continua!! Vai em frente. 
Junta todos os teus trabalhinhos imaginários 
e quiçá um dia inauguramos uma expo. juntos.. hã??
Tu, com o teu mundo imaginário e eu com o meu mundo real 
ao qual sempre tento dar um toque de surrealismos,  porque a realidade é tão dura...
O diabo nem sempre está atrás da porta!! 
Obrigada meu querido mano, por este presente logo de manhã.
 Amo-te muito!!!

Trabalho realizado por Paulo Sousa. 

Espreitem mais trabalhos aqui:

https://www.facebook.com/paulo.sousa.75054689/media_set?set=a.1022711699044.2003743.1562782401&type=3

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Rabiscos de Mel e Fel




Hoje sinto-me tal menina que espera há muito por um presente especial.
Toda esta excitação, apenas e só, porque além de despejar meus estados de alma para o computador, hoje, dei-lhes vida e materializei-o! Ficando comigo até sempre.
Trata-se uma simples auto-publicação, não aspiro vir a editar nenhum livro.
 Para mim, isto basta-me. 
Agradeço a todos que me deram força,. E foram muitos! Tenho muito a agradecer. Obrigada. O meu objectivo foi alcançado. Mais um projecto cumprido, mais um sonho realizado.
Convido-vos a desfolhá-lo, virtualmente. E se pretenderem deixar algum cometário
// aqui no blog/
 Poderão fazê-lo neste post.
Um bem ha-ja a todos. E muitas felicidades!!!

Para visualizarem em tela inteira, escolham a opção, que se encontra ao lado do carrinho de compras.
Grata!!!

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Memórias Vãs

Caderno aberto no  regaço
Entre sorrisos e lágrimas
Leio palavras de momentos idos
E neste aglomerado de textos mudos
Desfio meadas que o tempo deixou
Despojo-me, de esperança e revivo emoções
Que nelas, a tinta gravou
Consciente do desenlaço, solitária
Sem forças... confusa, dorida, cansada
De mim mesma já esquecida
Numa percepção realista
Adormeço quimeras vãs
sonhos que minh'alma envolve
Que o tempo não volta atrás
E o que perdi, já nada o devolve! 

Ana Simões

Não te quero assim

Não te quero assim!!
Entreguei minha alma adormecida
Vesti meu coração de ilusão
E num grito de  libertação em silêncio
Decido sem reservas
Não te quero assim!
Enxergo o que de nós restou
Nessa noite longa sem fim
Espera infecunda duma esperança abandonada
Teus passos esquecidos
Nossas pegadas desencontradas
Por caminhos opostos marcados
Dois leitos vazios...separados
Duas almas fustigadas..corações sofridos, maltratados
Sentimentos abandonados
Enxergo o que de nós restou, duma cálida noite de Verão
E complacente distingo
De nós apenas ficou
Tuas pegadas e solidão

Ana Simões


sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Libertação

Libertação

Aqui... Rompi amarras de dor e preocupação
E, num doce sabor de gaudio e satisfação, aforrelhei meu coração
Sem pressas, louvei o astro rei e em estado de paz, meu pranto sequei
Sem parenteses ou reticencias, firme, imútavel, inteira... me libertei
E, entre o perpéctuo e o instante fugaz, senti o doce aroma de um botão em flor
Neste pedaço de chão, d'erva fresca atapetado, de coração finado de dor
Um óasis quimérico vislumbrei e de cores ideais minha vida pintei
Aqui, de olhos cerrados, á sombra de possantes ramadas, minha tristura  repousei... e me alforriei
D'alma cheia e mente solta, densas amarras soltei
E num relax profundo, sem receios mergulhei, na mais intima fondura
Saciando o meu eu em singelos gestos de ternura
Aqui, amarras rompi e me  libertei!

Ana Simões 



terça-feira, 24 de junho de 2014

Gratidão


Vida matizada, por cores por mim nunca avistadas
Vou bamboleando por caminhos em veredas conquistadas
Num mundo enfeitado de glória  pronto a florir...
Voa meu coração muito mais além... ignorando  o corpo enfraquecido
E... sem pressas mas com fervor, alcanço triunfante lugares nunca idos
Num mundo novo vestido de brilho desperto meus sentidos
Sussurro aos céus minha gratidão e a Ele presto homenagem
De olhos arregalados espreguiço meu olhar tecendo meu sonhar...
Entre eras verdejantes que minha mente enrama
Abraço a natureza que me inspira...
Pinto de rosa minha tez
Migrou de mim a tristeza
E feliz... me meninei outra vez! 



quinta-feira, 5 de junho de 2014

Dia Régio ( hoje é o dia...)

Caminha confiante, bem direcionada
Sem exceder a velocidade e de alam controlada
Vai ao encontro de luz e cor, destemendo quaisquer dor
Seus pensamentos vagueiam à toa, sem resposta encontrada
E assim ruma... determinada, seguindo seu coração, numa fé desenfreada
Em alva paz mergulhada... sem saber explicar...apenas sente...
Com o propósito e a força regente...de quem O sente presente
E nesta doce quietude... oclusa todos os sonhos, que um dia sonhou...
Para, não mais que só almejar...A efectivação de um sonho
Que  sem embargo ou ilusão, nesta  perfeita paz  alcançada
Divinamente arquitectada, neste dia régio...Sonhou! 





quarta-feira, 4 de junho de 2014

Louvor




Trago nas mãos Fé e esperança
Ilusões no coração e poesia no olhar
Com lapiz de cor pintei sentimentos
Alguns de pura ilusão... outros bem reais o são...
Amei o menino, o mendigo, o amigo e até o inimigo...
Amei...Como quem nunca se cansa de a vida saber amar
E nestas graças tantas, fluiram sonhos multicolores
E da realidade à fantasia...atapetei veredas de ver esperança
Perfumadas de alfazema, enebriadas de paz, amor e luz
Confiante segui horizontes sem fim
E sob firmamentos de mil estrelas iluminados
Plantei orquídias, tulipas, rosas e jasmim
E sapiciência, em subtil mestria
Louvei ao Supremo e plantei meu jardim

Ana Simões 

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Vintage


Uma experiencia fotogáfica diferente...vivida por mim e por muitos outros, amigos e fotografos amadores









quarta-feira, 7 de maio de 2014

El Choro de Los Navalucillos



Ao fim de caminhar cerca de 4 km,  por caminhos montanhosos e serpenteados  alcançamos 
Uma bela e fresca queda de água " El Chorro" 








domingo, 4 de maio de 2014

Mulher coragem

Eu te aplaudo mulher, Mãe coragem
Tu! ...
Que geraste amor e vida  ao sabor da esperança
Que interpretaste meritóriamente o mais belo personagem neste palco da vida
Tu!...
Que silente  sofres e suspiras e  em destemor versejas dilemas
Num ímpar amor materno, enfrentas dores e subtilmente rompes cadilhos
Numa vida de dor enredada de atilhos
Tu!...
Mulher pequena, Mãe colossal
De doce e terno olhar...Teus lábios brotam beijos de bem querer
E no teu amor régio determinas, códigos de conduta ao sabor da razão
Tecendo ensinamentos, tal hábil artesão
Eu te aplaudo mulher, Mãe coragem
Tu que aguardas sem pressa a inevitável despedida que o tempo não alijeirou
E numa rima em jeito de cansão, cantas aos teus filhos a imancipação, mas já de saudade chora teu coração
Tu!...
Fortaleza fortificada, fonte de água fresca, caminho angelical 
És porto seguro, morada sempre certa, ligação eterna num ténuo cordão umbilical
Eu te aplaudo mulher coragem
Nua de disfarces, amas  a essência  ignorando a aparência 
Antevendo penares que à dor te conduz, de sorriso no rosto carregas tua cruz
E nas curvas desta rota que só à dor e amor conduz
Sem permissão p'ra sonhar...recebes o que não mereces e o que te faz juz
E prazeirosa sem arremessos de mágoa, feliz, agradeces a jornada
Festejando teu dom com palavras de festim
Encerras  em glória mais um ato...conciente!!
Que esta peça de amor completo
Jamais terá um fim.

Ana Simões 









sexta-feira, 21 de março de 2014

Dia do Pai

Querido pai

Regressei ao passado e recordei-te
Vi
Os caminhos que ambos percorremos 
Teu olhar com laivos de doçura
Tuas lágrimas de amor e doçura
Nossos jogos segredos e brinquedos
E, escutei...
Teus ensinamentos e conselhos
Tua prosa educativa e cativante
Os sonhos que para mim sonhaste
A vida que para mim desenhaste
E, senti...
A ternura na ponta dos teus dedos
Afagando os meus cabelos
Tua mão estendida
Enquanto o caminho me guiavas
Contigo, subi a escada da existência
E... de patamar em patamar
Segui, sem sempre te escutar
Galguei degraus derrubei barreiras
Palmilhei praias de maré vaza
Subi colinas desci ravinas
Parei, olhei ; escutei.
E então, triste perdi-te
Na encruzilhada da vida.








quinta-feira, 13 de março de 2014

Restos

Deixei passar o prazo
E entre o não devo e o não posso 
Perdi algures o hiato da existência
E o tempo passou... apressado
Imparcial, abnegado sem pedir licença
Numa indolência passiva exterminando a vida
Desmoronou sem compaixão juventudes floridas
Aniquilou cânticos  de amor, ilusões, lautos sonhos, fantasias...
Sem escárnio ou mágoa, em volteios de dança esperançada 
Reúno  os destroços de existência. E num relato de esperança
Meu ledo coração de ilusão distraído... fértil em ternura e afeição
 Em luxuosa festa fecunda alegria.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Desapego

Desapego

Hoje...tudo e nada me apetece...
Nada me apraz, nem o sol nem a lua  nem  o desejo de ser tua
Hoje, despida de sensações e emoções caminho descalça por trilhos de chuva molhadas
E nem vejo o reflexo de vida que a mesma espelha, ignoro-a ...à vida...  
Essa...  a mim  sempre ignorou e quase tudo me negou
Hoje... tudo e nada me apetece...
Subitamente nada importa, nada me assusta...
O tempo passou por mim sem compaixão e numa implacável mutação
Foi recheando a  bagagem...está pesada a mala que comigo acarreto
Mas é ela que orienta meu  seguro caminhar 
Caminho indiferente sem rede que me possa apoiar nem estrela guia para me  guiar
Nesta vida alucinante, rumo sem destino por caminhos sem brilho, sem chão, sem ilusão
Hoje...tudo e nada me diz....
Nem risada, nem  lágrima chorada, nem lamento do que o tempo ceifou
Nem  vozes de multidão alucinada ou incoerentes julgamentos de mentes ocas desocupadas
Hoje...num racional grito de silêncio, dissolvo quimeras e liberto-me desta dualidade de sentimentos
Sufoco-me em claustro recolhimento...rendida,  aguardo o sopro do vento
Tal folha seca que o Outono  matou 
E nesta inquietude desapegada...entrego o espírito, entrego a carne
Não sei se morri...ou se morta já não estou...


domingo, 5 de janeiro de 2014

Sonhos de Ninguém


Tombam de mansinho, as gotas de chuva, espelhando o chão à minha passagem
E num tributo à vida,  felicito o colírio de cor, no pavimento reflectido
Ignorando o cinza do firmamento, sigo a rota morosamente  
Que a pressa é estouvada e inútil  também
 E nesta fresca manhã de Janeiro, 
Delicadas flores dormem sob tufos de trevos cristalizados
Neste passeio de ilusões sonho, sonhos de ninguém e despejo fantasmas do passado
Numa magia infinda, toco a inocência, aspiro a felicidade  e retorno à adolescência