quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Ecos de Silêncio

Em silêncio abraço a vida 
Percorro os trilhos que Me destinaste 
Encerro em mim todos os meus sonhos
E serena, passo a passo sem pressa...
Louvo a vida, que passa  ligeira em seu andor
Num ilimitado e doce abraço, aceito as rosas, aceito os espinhos
É inegável...  Depois do torpor, a vida renasce!
Nobre e altiva, segura nem vacila, tal estrela cintilante, minhas passadas vem alumiar
Recebo os beijos do vento, as carícias das marés, o afago perfumado de um sonho naufragado
E nesta viajem embarco numa miragem, escuto o  hipnótico ode de uma sereia 
Deliciosamente deixo-me embalar por melodiosa canção
Abraço a vida...
E em silencio... apenas respiro contemplação 


Sem comentários: