sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Basta!

Basta!
... De uma vida de faz de conta
Vida tépida incolor de sabor a sal
Feita de quimeras sonhos ou ilusão
Adubados de falsos afectos
Onde germinam a dor e o mal
Basta!
De caminhar por tapetes de inútil esperança
De verdes descolorados sequiosos de viver
Uma tela colorida numa pintura abstracta 
Onde o cinza e o negro não possam habitar
Amor, felicidade e paz quero nessa tela pintar
Basta!
De ensaios neste palco da vida
Não quero mais uma vivência fingida
Basta! Basta! Basta!
 Sequem-me as lágrimas por Deus vos peço
Fecho os olhos não quero ver mais 
Minh'alma transborda de dor
E sem rodeios confesso; já não suporto meus ais



Sem comentários: