quinta-feira, 10 de janeiro de 2013


29/11/2012

Podera eu ser uma flor
Suave singela e bela
Protegida do vento agreste
Das chuvadas e trovoadas
Do sol abrasador
Podera eu permanentemente habitar
Num bosque de encantar
Verdejante e perfumado
Inspirar rosmaninho, alfazema e jasmim 
Sentir a carícia de uma borboleta poisar em mim
Expirar meu gélido sofrimento
sussurrar ao vento meu lamento
E viver feliz assim
Podera eu descansar
Na tua sombra protectora
Tranquila assim ficar
Sem saber o que é sofrer

Sem comentários: