quarta-feira, 30 de janeiro de 2013


Sempre haverá tempo...
Um dia o irei encontrar
Como fruta madura
Pronta a saborear
Terei muito tempo um dia
Quando a velhice chegar...
Viverei sem horas marcadas
Em memórias coloridas
De uma vida já gasta
Recordarei o tempo
De um passado cheio
De sorrisos e pranto
E em cada ruga vincada
Recordarei uma vida que amei tanto
E no tempo com tempo
Povoado de solidão
Mente confusa e corpo corruído
Cismarei em primaveras extintas
E numa narrativa desconcertada
Com voz rouca imperfeita
Recontarei histórias passadas
E o tempo irá correndo tão devagar
E eu permaneço sua serva
Sem lugar nenhum pra chegar
E nesta quietude sem pressa
Na penumbra da memória
Na monotonia do meu olhar
Busco o que fui na lonjura do tempo
E nesta injusta amargura
Ao tempo, sem tempo...
Para sempre me irei entregar

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013



Vai longa a noite
O vento sopra e a chuva cai
Escuto-a através das vidraças
Quedo-me em silêncio de respiração suspensa
Ausculto meu coração
Fala-me de revolta, angústia, tristeza
Raiva muda…algemada amordaçada
Vai longa a noite…
Calei minha vós desmemoriada
Onde estão as palavras que perdi...
Reflicto...careço de força, careço de mim
Imutável neste impasse...Tentei e não consegui
Sem forças, sem esperança… Desisti
Vai longa a noite…
Sossego meus olhos lacrimejantes
Mal sinto meu respirar de exaustão e desalento
E a noite vai longa…
Brilham os primeiros raios da manhã
O dia desperta gélido. Porém repleto de vida
Acerca-se para me mimar
Devolve-me a alento que a escuridão afugentou
 E um grito de força penetra em mim
Vociferando Vitória! Teu sofrer chegou ao fim
 E na ilusão deste troféu
Avanço determinada num súbtil  caminhar
Renegando ver que é chegada a hora de acordar



domingo, 13 de janeiro de 2013

Nesta paisagem calma e serena
Encontro a paz
Repudio o tormento
E...de alma leve de jubilo e sentimento
Contemplo este momento fugaz

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013


31/12/2012

Soam as doze badaladas... É dois mil e doze que se despede...
Escrevi palavras que poucos entendem... Saíram do âmago do meu ser,falavam de dor nua e crua, de desilusão...mas também de amor, amizade e de bem-querer, de conquistas e derrotas, de fragilidade e coragem...Relato de vida a tantas idênticas. O ano findou e para trás tudo é passado. 
Dois mil e treze acaba de chegar. São muitos dias, anos minutos e segundos...

Prometo! Semear o verbo amar
Toda a  banalidade  desvalorizar
Recolher o meu quinhão de paz e amor
Contra obstáculos teimosamente lutar
E eternamente grata, aproveitar
Tudo que a vida generosamente me ofertar

30/12/2012

Sente...O tic-tac do tempo que passa
É o novo ano que avido me quer brindar
E eu sorrateira o fico a esperar
Ansiando o que o mesmo tem para dar
E escrevo...e sonho...e espero...
Por fim o momento, que ao Ano Novo irei brindar

29/12/2012

Despeço-me do sol num sorriso luminoso
E vou alinhavando minha despedida ao ano envelhecido
Teu reinado está findando...queria pular os maus momentos, guardar com saudade os sucessos, fingir que sempre feliz vivi ...
Seria assim viver? Claramente..não!
Por tudo te estou grata...Foi dura a lição...Mas nesta cruel inclemência, fiquei mais forte. De corpo, alma e coração

28/12/2012

No final de mais um dia
A cidade povoada de multidão
Caminha lado a lado... sem se ver
E no vazio do silêncio
Há sempre vida a acontecer

27/12/2012

Convidei meu anjo para comigo cear
E no meu eterno sonhar
Aos meus ouvidos senti soprar
Harmoniosa melodia...
Sacro cântico de louvor 
Que me convida a amar

26/12/2012

Aqui estamos nós; tu e eu...
Entre tropeços e  contratempos
Enfrentámos dificuldades
Derrubámos contrariedades
E num mundo de realidades 
Projectamos o futuro
Vinte e cinco anos passados
E aninhados, juntos permanecemos

25/12/2012

Vamos esquecer os presentes, a correria aos centros comercias
O consumismo desmesurado, a euforia exagerada
E  viver o verdadeiro espírito de Natal !
 Hoje e todos os dias das nossas vidas, tentemos sempre fazer o melhor que sabemos, se o fizermos... será sempre Natal

24/12/2012

Que a luz radiosa do Deus-Menino 
Impere nossas vidas e de todos deste mundo
Paz na terra para todos os seres

23/12/2012

A amizade é como um espelho
Recebemos o reflexo do que ofertamos

22/12/2012

A amizade é como o volitar de uma borboleta
Voa livremente de flor em flor...
Regressando sempre a quem lhe dá amor 

(Mesmo quando já não é possível sentir a sua presença física)

Obrigada a todos os amigos que partilharam este dia comigo. Obrigada Lenita Nabais por esta borboleta que tanto significado tem para nós... beijinho

21/12/2012

Nesta pauta de música...
Erudita, religiosa, folk ou popular
Existe uma partitura que toca o coração 
Saltito de dó em dó, acaricio o ré-mi-fá
Bailo com a clave de sol, e leve como algodão
Languidamente invento uma canção

20/12/2012

Na doce instabilidade de um baloiçar
O vento baixinho me vem murmurar
Eu te amo...eu te amo...
E é esta vida que eu quero abraçar

19/12/2012

Ontem sonhei
Hoje sonho 
Amanhã sonharei...
Porque o sonho comanda a vida...
E a vida eu quero desfrutar!
Jamais esquecerei a doce ilusão de sonhar

18/12/2012

Lá está ele em toda sua opulência e beleza
Lembrando um palácio de histórias de encantar
Um regalo prá vista, que nos deixou o rei artista
D. Fernando II amante das artes e Natureza

17/12/2012

Frágil flor...tal como o amor...se não acarinhada morre!

16/12/2012

Estou aqui...a música invade minha alma
Seu corpo desliza com elegância e desenvoltura 
Capto o momento e embarco em mais uma aventura

15/12/2012

"O lago dos cisnes"
Uma história dramática, onde a maldade vence o amor...
Um espectáculo cativante que adorei rever.

14/12/2012

O relógio marca o tempo...
Nós, a velocidade a que o tempo passa
Felizes...o tempo voa! Se tristes o tempo pára!
Resta-nos aprender a viver as diversas fases do tempo
Sejamos felizes na traquinice, na inocência
No sonho, na consciência na reflexão
Na maturidade, na ilusão...
Sejamos felizes enquanto existe tempo!

13/12/2012

A cada passo meu vos encontro
Filhos de um húmido Outono 
E a cada novo encontro
Recolho encantamento

12/12/2012

No alto dos meus saltos
Adornada de pérolas e plumas
Sinto-me princesa por um dia
Tal ato inocente de criança...
Sou eu!
Sorridente e feliz
Perplexa de alegria

11/12/2012

Subo as escadas que vão dar a coisa nenhuma
Cruzo a esquina do tempo e encontro a amizade
E num imensurável desejo de chegar não sei onde
Vou ao encontro da verdadeira felicidade

10/12/2012

Porque teimas me aprisionar
Derradeiro passado envelhecido
Já não o consegues mais
Afrontei desilusões recalcadas
No silêncio busquei protecção
Na humildade encontrei a salvação
E soberana me libertei da tua escravidão

9/12/2012

Momentos e emoções recontruídas

8/12/2012

Bola aqui...luz acolá
Salpicos de neve a brilhar
A doce voz de um anjo a cantar
Um Pai Natal a sorrir
E o pinheirinho diz que é Natal já

7/12/2012

Aqui estão eles repousantes doces e quentes
Despertam em nós o pecado da gula
Nem dou asas à imaginação
A salivar agarro-os com sofreguidão

6/12/2012

Súplica aos senhores do país onde nasci
Foi-se o subsídio, o emprego, a insenção
A justiça, a esperança e confiança a ilusão
Atrás irão meus filhos pra longe daqui
Deixem-me ao menos saborear uma sopa com  pão

5/12/2012

Leio o futuro em bolas de cristal
Vejo negras tormentas, dor solidão
Vejo o sol a brilhar e todo o mal  passar
Vejo lágrimas e sorrisos em meu coração
Vejo o inferno e o paraíso, a lua e o sol
Embriagada em mágica viagem 
Nesta emocionante roda da aventura 
Vejo o passado e o presente
Elucidada entendo que esta vida
Sobe e desce permanentemente

4/12/2012

Estou no topo do mundo
Ofuscada pelo brilho das estrelas
Indago onde pára minha estrela guia
E do belo brilho multicolorido
Recebo a resposta entre um doce sorriso
Vive com a pureza de uma criança
Busca dentro de ti tua quimera tua ilusão
Grita de euforia e prazer
Teu grito ecoa candura
E tua estrela guia se deixará ver

3/12/2012

Fazes-me recordar gulodices açucaradas
Almejo lambuzar-me em teu mel
Esqueço a lonjura da infância
E por breves momentos
Sinto a brandura de carícias adoçadas

2/12/2012

A gélida noite deixou em ti fria saraiva
E tu dormindo tranquilamente
Reflectes luz tal diamante reluzente

1/12/2012

É chegado o mês de Natal e com ele a magia das cores, a fantasia no mundos dos mais pequenos...
É a data que se apregoa amor e paz...
Eu desejo que esse pregão seja escutado todos os dias do ano. E que a magia do Natal esteja em todos nós. Em  mim está. Não importa a idade...serei eterna menina.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013


30/11/2012

O amarelo da Carris

29/11/2012

Podera eu ser uma flor
Suave singela e bela
Protegida do vento agreste
Das chuvadas e trovoadas
Do sol abrasador
Podera eu permanentemente habitar
Num bosque de encantar
Verdejante e perfumado
Inspirar rosmaninho, alfazema e jasmim 
Sentir a carícia de uma borboleta poisar em mim
Expirar meu gélido sofrimento
sussurrar ao vento meu lamento
E viver feliz assim
Podera eu descansar
Na tua sombra protectora
Tranquila assim ficar
Sem saber o que é sofrer

28/11/2012

Caminharei em segredo 
Por caminhos ungidos pela chuva
E no meu caminhar
Continuarei a sonhar
Desfrutando o presente

27/11/2012

Ventre de mulher é terra-mãe que brota vida
É alma cheia de espírito de amor
É doçura é magia é sonho legado
Herdado ao nascer
São lágrimas de felicidade de um projecto alcançado

26/11/2012

Caminho num labirinto de sensações
Contornando em silêncio emoções
Procuro respostas e não encontro
Perco-me no turbilhão da minha mente
E aguardo pacientemente
Que um fio de fé me venha tocar

25/11/2012

Sementinha de esperança
Amor e alegria
Vem sorrir-me airosa
Na minha rota... dia a dia

24/11/2012

Sublime espelho
Na mansidão das tuas águas
Há um doce embriagar
Meus sonhos despertam
Num doce germinar

23/11/2012

Sou flor escondida que ninguém vê
Entre os tons coloridos da Natureza 
Sou prisioneira do passado que em mim deixou
Sortilégios de dor que minha alma dizimou
Sou flor a desabrochar 
Esperando o poiso de uma borboleta 
Que me venha beijar

22/11/2012

Neste divino curso de águas gélidas
Sussurros calmos adormecem minha agonia
Avisto o éden e em tão doce visão
Vou desfiando poesia

21/11/2012

Avanço até ao infinito
Liberto-me do limbo da noite
E deixo para traz a saudade
Sem dó nem piedade
E quedo-me no silêncio 

20/11/2012

Gostar de viver é tão simples
Basta sorrir ao acordar
E as coisas mais simples da vida
Saber desfrutar

19/11/2012

Silêncios partilhados
Caminhos entrelaçados 
Instantes com sentimento assinados
Onde o amor é rei

18/11/2012

Um gafanhoto "pirilampo" que me veio comprimentar

17/11/2012

O dia adormeceu
Saboreio esta terna magia

16/11/2012

Estranha sensação
Sinto um enorme vazio
A cidade está cheia de nada
E no meio da multidão
Sinto um enorme vazio

15/11/2012

Num final de tarde de Outono 
Depois da chuva parar